Bicicletas já superam carros em Copenhague

12

Visitando a capital da Dinamarca o que impressiona é o trânsito. Não daquele do transito motorizado e sim o transito do vai e vem das biciletas. Faz tempo que Copenhague é um fenômeno quando se trata de duas rodas.

Dados divulgados pela prefeitura confirmam que as bicicletas agora já ultrapassam os automóveis no trânsito local. O mais recente censo de tráfego indica que, em média, 265.700 bicicletas entraram no centro de Copenhague por dia no último ano. Em comparação, foram 252.600 carros.

É a primeira que vez isso ocorre desde que os registros começaram em 1970. Os números provam que com oferta de infraestrutura bem projetada e segura, as pessoas tendem a optar pelas magrelas em seus deslocamentos diários.

A bicicleta se tornou o principal meio de transporte para metade da população de Copenhague. Na capital dinamarquesa, as pessoas usam a bicicleta para ir à escola, ao trabalho, à padaria perto de casa e até mesmo para sair à noite.

A revolução, claro, não aconteceu da noite para o dia. Ao longo de mais de cinco décadas, Copenhague se reinventou, construiu ciclovias aos montes, inclusive com acesso a rodovias, garantiu a integração entre os meios de transporte, investiu em segurança para o ciclista e em toda sorte de infraestrutura cicloviária.

A expansão de projetos voltados às magrelas é constante. A cidade está investindo US$ 8,9 milhões para instalar 380 sinais de tráfego, com a meta de reduzir o tempo de viagem de bike.

Para isso, a prefeitura vai usar o tempo de viagem de bicicleta como base para todos os semáforos e projeções de fluxo, em vez de usar os tempos de viagem de carro, como tem sido feito há décadas. Mobilidade tem outra conotação lá e claro tem dinheiro.